Torcedores uniformizados quase desaparecem em plena Copa, e Moscou retoma a rotina

Com apenas quatro equipes ainda na briga pelo título da Copa do Mundo de 2018, Moscou vai retomando a rotina e ficando mais vazia. Nesta segunda-feira, poucos torcedores se misturaram aos turistas nas praças Vermelha e da Revolução e na Rua Nikolskaya, pontos de aglomeração nos últimos 25 dias, quando a região central da capital russa foi invadida por sons e cores diversos.

A reportagem ficou por cerca de 1 hora na Praça Vermelha nesta tarde e não encontrou brasileiros com a amarelinha. Foram vistos torcedores com camisas do Flamengo e do Grêmio, mas, com a da Seleção Brasileira, eliminada pela Bélgica nas quartas de final, apenas dois amigos japoneses: Shinjiro Matsui, de Tóquio, e Masakazu Nagasaki, de Nagóia.
Fãs do futebol brasileiro, eles tiravam fotos em frente à Catedral de São Basílio e faziam questão de mostrar o nome de Neymar escrito na camisa. “Ficamos tristes com a saída do Brasil, mas futebol é assim. Os brasileiros vão continuar jogando bem, sendo os melhores”, afirma Shinjiro.
Eles não conseguiram ver nenhum jogo do Brasil na Rússia pela dificuldade em adquirir ingressos. Mas foram a Uruguai 0 x 2 França e ainda não têm bilhetes para as semifinais ou a final. Enquanto isso, seguem se divertindo pela Rússia.
O mesmo está fazendo o belo-horizontino Rodrigo Lopes. Ele não estava com a camisa da Seleção Brasileira, mas usava uma alusiva às conquistas do país em Mundiais, deixando claro que não se abateu com a derrota por 2 a 1 para os belgas, na sexta-feira, em Kazan, diferentemente de compatriotas que têm evitado usar as cores nacionais.
“Não tem de tirar a camisa, não. Perdemos, mas fizemos um grande jogo contra a Bélgica, foi um jogão. Futebol é assim, às vezes você ganha, às vezes, não. Seguimos orgulhosos da nossa Seleção, única pentacampeã do mundo”, declara ele.
Ele reconhece que o clima em Moscou já não é o mesmo. Antes, as ruas centrais estavam em festa a qualquer hora do dia e havia muita confraternização entre os torcedores. Agora, tudo está muito mais calmo.
”Antes era clima de carnaval, todo mundo animado, muita música, dança, brincadeiras. Mas vamos em frente”, afirma ele, que aproveita o clima mais tranquilo para fazer turismo, pois a volta à capital mineira será apenas na próxima semana.
Outros países

Como os brasileiros, torcedores de outros países também vão abandonando os uniformes e adereços. Alguns mexicanos, colombianos e argentinos se mantiveram fiéis, mas em número ínfimo se comparado há 10 dias. Mesmo os russos, até então orgulhosos de vestir a camisa da Seleção local, já não são vistos com ela com tanta frequência. Os anfitriões foram eliminados no sábado, quando perderam nos pênaltis para a Croácia.