Em GV: Falta de planejamento e crise financeira do Estado impedem implantação do SAMU Regional

{0BAC2DBA-C7AC-DA28-748D-3DBBACAE6CEC}

Desde que foi eleito, o prefeito André Merlo, que também é o presidente do CONSURGE, luta para que o serviço seja colocado em funcionamento

A falta de planejamento e crise financeira do Estado com a consequente falta de repasses para os municípios deram mais um duro golpe na população de Governador Valadares e cidades da região. O Serviço de Resgate de Urgência e Emergência SAMU 192, que será gerenciado pelo Consórcio Intermunicipal de Saúde da Rede de Urgência e Emergência do Leste de Minas (CONSURGE) não será mais implantado este ano, como havia prometido o governo do Estado.

CONSURGE, entidade pública com personalidade jurídica de direito público com sede em Governador Valadares, para iniciar o serviço de resgate de urgência e emergência SAMU 192, depende apenas do repasse da segunda parcela (R$ 2,7 milhões) de um convênio de R$ 5,4 milhões firmado com o Estado por meio da Secretaria Estadual de Saúde (SES) e de autorização e agendamento para início dos trabalhos pelo governo estadual.
Desde que foi eleito, o prefeito André Merlo, que também é o presidente do CONSURGE, luta para que o serviço seja colocado em funcionamento e, nos diversos apoios que buscou, esteve com Fernando Pimentel para cobrar agilidade e recebeu do governador a garantia de que o consórcio seria implantado ainda em 2017, o que não se concretizou.
No mês passado, o prefeito voltou a Belo Horizonte em busca de uma solução e, no encontro com o secretário de Estado da Saúde, Nalton Cruz, a diretora da Rede de Urgência e Emergência, Kely Fontini, o coordenador do CONSURGE, Narcélio Alves Costa e o presidente do CISDOCE e prefeito de São José da Safira, Tony Lacerda, entre outros, André Merlo apresentou toda a evolução do CONSURGE, bem como cópia do ofício apresentado ao Centro de Apoio Operacional da Saúde do Ministério Público  (CAOSAÚDE), pedindo uma definição para a data de início do serviço, tendo o Estado assumindo que também não vai implantar o CONSURGE neste ano.
“Lamentamos muito todo esse descaso. O governador prometeu implantar o consórcio no ano passado e até hoje nada. Enquanto isso os municípios continuam custeando a parte administrativa do Consurge, mas sem ter o serviço, o que é um verdadeiro absurdo”, reclama o prefeito André Merlo. O chefe do executivo lembra que o início das atividades com a convocação e posse dos servidores do processo seletivo, o custeio da folha de pagamento, assim como a definição da data do início dos serviços são de única competência do Estado. Ao enumerar tudo o que já foi feito para a efetivação do serviço, o presidente do Consurge e prefeito André Merlo lembrou que os prefeitos continuarão cobrando do Estado a implantação do SAMU Regional.

Confira todas as ações já efetivadas para a implantação do Consurge em Valadares:
• O CONSURGE já possui sede provisória na rua Pedro Lessa, 126, bairro de Lourdes;
• Possui lote doado pelo Município de Governador Valadares para a construção de sede própria;
• Pactuou 14 bases descentralizadas;
• 14 hospitais foram referenciados como portas de entrada e vêm recebendo repasses do Estado desde maio de 2015 – com investimentos da ordem de R$ 50 milhões;
• Cinco Unidades Móveis Avançadas já estão no pátio;
• Todos os materiais necessários para o seu funcionamento, como medicamentos, material de informática e EPIs foram adquiridos por meio de processo licitatório e atas de registro de preço;
• Realizou processo seletivo por meio da FUNDEP/UFMG;
• Capacitou 320 profissionais que atuarão na Central Operativa e nas 14 bases descentralizadas;
• Embora o processo seletivo esteja vencido, foi deliberado em assembleia-geral do CONSURGE que, como preconiza a lei, a bem do interesse público e devido a investimentos já realizados nas capacitações, todos os profissionais qualificados serão convocados quando o Estado definir a data para início do serviço;
• Está concluindo um termo de cooperação mútua com a Polícia Militar, Polícia Civil, Corpo de Bombeiros e Secretaria de Estado de Segurança Pública para a instalação da Central de Regulação (atendimento de chamadas e regulação médica) na sede da RISP de Valadares.

Fonte/Foto: SECOM/GV

Departamento de Jornalismo – Rádio Mundo Melhor