Último LIRAa do ano aponta 6,5% de imóveis com focos do Aedes

painel_0

O levantamento mostra que o foco predominante dos criadouros dos mosquitos em Valadares continua dentro das casas, principalmente em ralos

O último Levantamento Rápido de Índice de Infestação pelo Aedes Aegypti (LIRAa) do ano, realizado entre os dias 22 e 26 de outubro, aponta a presença de focos do mosquito em 6,5 % dos imóveis visitados. O índice é maior que o apurado em agosto (4,7%), fator também atribuído ao período chuvoso, o que exige mais atenção da população neste final de ano. A Prefeitura reforçou as diversas frentes de trabalho de prevenção e combate para eliminar os focos.

O levantamento nos bairros foram divididos por estratos, 13 no total. Em 5 dias os agentes de endemias percorreram 5.832 imóveis e assim identificaram que apesar de todos os esforços para conscientização, os focos continuam dentro das casas, com 49,1% em ralos, 20% em vasos de plantas, 16,4% em tonéis ou tambores, 7,3% em lixo, 2,7% em pneus, 2,4% em bromélias e 2% em caixas d’água.

A Ilha dos Araújos foi o bairro com maior índice de focos (16,4%), o que pode ser um reflexo da dificuldade que os agentes encontram para fazer as visitas às residências. Em muitos dos casos, os proprietários não são encontrados ou não permitem a entrada dos profissionais para a vistoria. Em seguida aparecem os bairros Vila Bretas, Vila Mariana, Acampamento da Vale, Lourdes e São Geraldo com 10,6%.

Os bairros com menores índices são o Grã-Duquesa, Maria Eugênia, Santo Agostinho, Lagoa Santa, Morada do Vale, Cidade Nova, Morada do Vale I, Vale Verde e Esperança com 1,2% de infestação. Ao todo, foram realizados 4 levantamentos na cidade este ano e eles são considerados uma importante estratégia de combate porque permitem traçar com mais precisão as ações de controle das arboviroses (Dengue, Zika e Chikungunya) e prevenção.

O LIRAa feito em agosto apontou índice de infestação de 4,7%, bem menor do que foi apurado em maio (9%) e janeiro (10,9%). Todos eles são maiores que o recomendado pelo Ministério da Saúde, de 1%, por isso é importante que a população se mobilize e participe com ações preventivas.

AÇÕES

A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) tem se empenhado para combater o mosquito em Valadares realizando um trabalho constante de vigilância e conscientização através dos agentes de endemias. Além dessas ações são realizados também o bloqueio vetorial, atendimentos no Rui Pimenta e Centro de Atenção ao Deficiente Físico Dr. Octávio Soares (CADEF) e mobilização social da comunidade, entidades civis, empresas, escolas e creches.

A SMS está agindo por meio de atividades da Vigilância Ambiental, Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) e ainda conta com a parceria da Secretaria Municipal de Obras e Serviços Urbanos (SMOSU) e Serviço Autônomo de Água e Esgoto (SAAE) que vem fazendo um trabalho incansável de limpeza – (da área de transbordo, praças, ruas e córregos da cidade. As ações seguem parâmetros do Programa Estruturador de Controle e Combate às Doenças Transmitidas pelo Aedes aegypti.

É desta forma, realizando um trabalho alinhado e com a participação da comunidade que a Prefeitura vem conseguindo eliminar os focos do mosquito na cidade e reduzir os índices de infestação. É preciso que a população adote uma mudança de pensamento e comportamento, tomando medidas preventivas para vencer essa luta contra o Aedes.

Arboviroses

Neste ano, de janeiro até outubro, foram confirmados 277 casos de arboviroses, sendo 148 de dengue, 125 de Chikungunya e 4 de Zika.

Fonte: SECOM/GV

Foto: Reprodução/Internet

Departamento de Jornalismo – Rádio Mundo Melhor



WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com